O Expresso Polar, uma animação de encher os olhos
Críticas

O Expresso Polar, uma animação de encher os olhos

O Expresso Polar

Você caro internauta, já acreditou em Papai Noel? Achou que, uma vez por ano, ele entrava nas casas das “crianças boazinhas” e distribuía presentes? Tentou compreender como o velhinho entrava pelas chaminés, mesmo com aquela barriga proeminente? Caso tenha respondido ‘sim’ a alguma destas questões, você assistirá a O Expresso Polar com tremendo prazer e uma dose de nostalgia.

Robert Zemeckis testa uma nova ferramenta cinematográfica, a captura de movimentos. Além disso, transforma Tom Hanks (O Resgate do Soldado Ryan) num maquinista calvo rumando para o Pólo Norte. Um garotinho entra nessa aventura surreal, passando por vários testes e fazendo novas amizades, até ficar ‘cara a cara’ com o bom velhinho.

Primeiramente, há um equilíbrio interessante no tom das cores e, para complementar, as músicas são primorosamente assinadas por Glen Ballard e Alan Silvestri e fazem os espectadores esquecerem que estão assistindo a uma simples animação, entrando de corpo, mente e alma no espírito inocente e comovente do longa.

Falta ainda detalhamento maior nos olhos, que parecem inexpressivos e sem vida, mas tirando isso é uma animação superinteressante. Fora este pequeno detalhe, O Expresso Polarrenova a genialidade do diretor e é um programaço para crianças e adultos.

NOTA: 8,0
ORÇAMENTO: 150 Milhões de Dólares

Deixe um comentário

Você não pode copiar o conteúdo desta página