Liga da Justiça: Ponto de Ignição é uma prévia para o novo live action da DC
Críticas

Liga da Justiça: Ponto de Ignição é uma prévia para o novo live action da DC

Liga da Justiça: Ponto de Ignição

Para me preparar para o filme do The Flash, que finalmente ganhou sinal verde e sairá nos cinemas, resolvi conferir a animação Liga da Justiça: Ponto de Ignição. E posso garantir que esta é uma espécie de estágio de tudo o que está por vir.

Primeiramente, porque dá para ver como a ‘passagem de bastão’ entre Snyder e Gunn se seguirá. Mas podemos ir além: essa é a desculpa perfeita para os retornos de Ben Affleck, Michael Keaton e Christian Bale (será?). E cadê a resenha da animação? Calma, que vamos falar dela agora!

Liga da Justiça: Ponto de Ignição vale a pena?

Apesar da transposição entre HQ e filme se manter coerente ao longo dos 80 minutos, é tudo muito apressado. Barry Allen corre e já voltou no tempo – fazendo suas devidas alterações no multiverso -, Aquaman e Mulher Maravilha se apaixonam aleatoriamente e o Batman, do nada, aceita lutar ao lado de Cyborg e companhia… Tudo isso me causou estranheza.

E eu achava, de fato, que esse equilíbrio existiria. Até porque, o diretor Jay Oliva, esteve à frente do ótimo Batman – O Cavaleiros das Trevas: Parte I. Só que, desta vez, apesar da violência equilibradíssima, tivemos um grande ponto fora da curva (assim como uns errinhos de continuidade aqui e ali).

Não dá para negar que as personalidades de Diana, de Thomas Wayne como um verdadeiro anti-herói e de Martha como o ‘novo’ Coringa provam que a coragem da DC é bem maior do que da Marvel, ao menos nas animações.

Liga da Justiça: Ponto de Ignição é um produto que tem o selo: “nada mais faz sentido entre as Terras 1, 2, 3 e assim por diante. Então, chame o corredor vermelhão que ele faz tudo recomeçar”. Observe os traços exagerados na composição do Aquaman e verá que a animação é divertida, com ressalvas.

Liga da Justiça: Ponto de Ignição

Sinopse de Liga da Justiça: Ponto de Ignição

Barry Allen, o Flash, vai parar numa realidade alternativa, onde ele não tem seus poderes e sua mãe ainda está viva. Além disso, o mundo inteiro está em guerra e ele precisa de ajuda para que tudo não vá pelos ares.

Nota Cinema e Pipoca: ★★★½

Título Original:Justice League: The Flashpoint Paradox
Ano Lançamento:2013 (Estados Unidos)
Dir:Jay Oliva
Vozes:Justin Chambers, Cary Elwes, C. Thomas Howell, Kevin Conroy, Kevin McKidd, Michael B. Jordan, Ron Perlman

ORÇAMENTO: US$ 3,5 Milhões

Deixe um comentário

Você não pode copiar o conteúdo desta página