Crítica: Guerra Civil | Uma experiência tensa e uma homenagem ao fotojornalismo
Críticas

Crítica: Guerra Civil | Uma experiência tensa e uma homenagem ao fotojornalismo

filme de Wagner Moura e Kirsten Dunst

Alex Garland mostra-se muito versátil em sua filmografia. Antes de Guerra Civil, já havia feito o excelente Ex-Machina e o bom Aniquilação. Obviamente há sinais de sua assinatura em todos eles, com estudo de personagem e de sociedade, mas usando um scifi mais pesado em um e um scifi de ação em outro.

Voltando a falar deste lançamento, o diretor não está preocupado em como a tal guerra começou e qual lado está no poder. Ele deseja expor tópicos como a perda de sensibilidade, o vício em adrenalina e etc. As camadas vão se acumulando em um mundo complexo mas que, de certa forma, nós também vivemos – em maior ou menor grau.

Com a chegada das eleições nos EUA – e essa divisão política por aqui – não haveria momento mais importante para que o longa chegasse aos cinemas.

O elenco é a força motriz de Guerra Civil

Neste mundo pós-apocaliptico, acompanhamos a fotojornalista Lee Smith e o redator Joel e a química entre Kirsten Dunst e Wagner Moura é perfeita. Contudo, com a chegada de Jessie, vivida por Cailee Spaney e Sammy (Stephen McKinley Henderson) que esse quebra cabeças se completa.

Outros coadjuvantes têm pouco tempo de tela, como Jesse Plemons e Nick Offerman, mas dão conta do recado. Apenas Jin Ha e Nelson Lee, não correspondem ao restante por serem exagerados demais.

Guerra Civil e sua tensão de tirar o fôlego

Ao mesmo tempo que é uma bela homenagem a esses profissionais que arriscam suas vidas para registrar as guerras, não se exime em expor nossa parte mais primitiva. Muitos nem sabem quem são os aliados e os inimigos – vide uma passagem onde soldados atiram em um homem dentro de uma casa. Joel pergunta o motivo de estarem atirando e o outro diz ‘porque ele quer nos matar’.

E a cada passo, um personagem ganha ‘casca’ para buscar a foto perfeita e outro já não quer mais estar ali. Ou seja, podemos tecer semelhanças com Guerra ao Terror, A Estrada e Filhos da Esperança. Mas Garland, com o uso de uma violência pesada, atinge o nervo do espectador.

Os planos abertos, com o mundo todo destruído e os belíssimos enquadramentos na ação no terço final, são um prato cheio para sair da sessão empolgado. Aliás, fotografia e design de som devem ser aplaudidos de pé, pois o espectador sente a desolação em cada esquina e sente cada tiro como se estivesse próximo ao ouvido.

Por fim, a coragem do desfecho faz jus ao restante da obra e as agruras do mundo. Veja na maior tela possível!

curiosidades sobre Guerra Civil

Onde assistir Guerra Civil?

Sinopse deGuerra Civil

Em um futuro não tão distante, explode uma guerra civil nos Estados Unidos. Então conhecemos uma equipe pioneira de jornalistas de guerra, que irá viajar pelo país para registrar a dimensão e a situação de um cenário violento que tomou as ruas em uma rápida escalada, envolvendo toda a nação. No entanto, o trabalho de registro se transforma em uma guerra de sobrevivência quando eles também se tornam o alvo.

Nota Cinema e Pipoca: ★★★★½

Título Original:Civil War
Ano Lançamento:2024 (Estados Unidos | Reino Unido)

Dir:Alex Garland
Elenco: Kirsten Dunst, Wagner Moura, Cailee Spaeny, Stephen McKinley Henderson, Nick Offerman, Nelson Lee, Evan Lai

ORÇAMENTO: US$ 50 milhões

Confira outras resenhas AQUI!

Você não pode copiar o conteúdo desta página