Pular para o conteúdo
home » Top CP » Filmes de Albert Pyun: uma homenagem para o diretor

Filmes de Albert Pyun: uma homenagem para o diretor

filmes de albert pyun

Quais os melhores filmes de Albert Pyun? Essa é uma pergunta difícil, pois este diretor, que faleceu justamente hoje (27), tinha uma assinatura de ‘ou ame ou odeie’. Além disso, participou de um momento único da Sétima Arte, pois trabalhou na Cannon Films e gerou pérola como Cyborg – O Dragão do Futuro e Capitão América: O Filme.

Filmes de Albert Pyun e uma pouco da história

O diretor havaiano, que nasceu em 1953, se apaixonou pela Sétima Arte ainda muito jovem. Portanto, nessa época fez muitos curtas metragens e, alguns anos depois foi aprendiz de Toshiro Mifune e Takao Saito.

Para muitos um nome qualquer do cinema independente e de gênero, contudo, para todos os outros, um nome a ser destacado e lembrado sempre. Primeiramente, estreou no comando com A Espada e o Feiticeiro (1982), que arrecadou mais de 36 milhões de dólares nos EUA.

E, por isso, chegou a trabalhar com Paul Verhoeven em O Vingador do Futuro e foi chamado por por vários estúdios grandes. Sua criatividade se renovou em Viagem Radiotiva (1985), com Michael Dudikoff e John Stockwell e apesar de não ter ido tão bem nas bilheterias, provou, novamente, a criatividade de Pyun.

Já pelo selo Cannon, fez o esquecível Caçada Perigosa (1986), também com Stockwell. Mas, gerou uma trinca interessante (e sem conexões entre si) com O Planeta dos Prazeres (1986), O Tesouro de San Lucas (1987) e Uma Estranha em LA (1988), todos protagonizados por mulheres, numa época em que não era comum tê-las em scifi com tanto destaque.

Jornada ao Centro da Terra (1988) sofreu com os cortes de orçamento, pois a Cannon já vivia um momento terrível. Histórias curiosas dizem que houveram brigas entre Pyun e os produtores Yoram Globus e Menagem Golan. Além disso, que apenas os 8 primeiros minutos do filme foram realmente dirigidos por ele.

Enfim, ele fechou a década de 1980 com Cyborg – O Dragão do Futuro, com um novato Van Damme. Quer mais? Utilizaram os cenários e os figurinos feitos para uma fatídica sequência de Mestres do Universo. Orçado em 500 mil dólares, deu sobrevida a Cannon, com 10 milhões de dólares nas bilheterias.

Filmes de Albert Pyun na década de 1990

Com a Marvel desesperada por dinheiro, precisou vender os direitos de seus personagens. Portanto, chegou nas mãos de Pyun, Capitão América: O Filme (1990), e mesmo com todo talento dele, é um projeto terrível e sem alma.

Ao mesmo tempo, podemos citar Kickboxer 2: A Vingança do Dragão (1991) e Kickboxer 4: O Agressor (1994)- sem Van Damme -, o esquecível Alien – O Exterminador (1992) e A Exterminadora (1993), com Kris Kristofferson. Bem como a franquia Nemesis, com O Exterminador de Androides (1992), A Última Esperança (1995), Espaço de Tempo (1996) e Lágrimas dos Anjos (1996).

Esteve com astros e estrelas como Christopher Lambert e Nathasha Henstridge em Adrenalina (1997) e Jogo de Assassinos (1997), este último também com Ice-T. Mas não para por aí, por Rutger Hauer em Omega Doom: A Maldição (1996) e Charlie Sheen em Morte Anunciada (1998).

filmes de Albert Pyun

Os anos 2000 para o diretor

Ao se desvincular dos estúdios independentes, começou a fazer crowdfunding para financiamento. Ou seja, houve liberdade criativa muito maior (mesmo que tenha dividido a opinião dos fãs). Esquadrão da Morte (2000), com Ice-T e Snoopy Dogg e Ticker: Contra o Relógio (2001), com Steven Seagal e Tom Sizemore, foram os primeiros desta nova leva. Ambos filmes de ação com a assinatura de Pyun.

filmes de Albert Pyun

Max Havoc: Curse of the Dragon (2004), é esquecível, mas vale por ter Isaac Florentine como codiretor. Ao mesmo tempo, Pyun nunca deixou de lado o scifi e presenteou os espectadores com Aliens Gone Wild (2005), Cyborg Nemesis: The Dark Rift (2016) e Interstellar Civil War (2017).

Outro que chamou a atenção por faturar alguns prêmios foi Road to Hell (2008), com Michael Paré e Clare Kramer.

Últimos filmes de Albert Pyun e seu falecimento

Há alguns anos, Pyun foi diagnosticado com esclerose múltipla e demência, ou seja, estava com a saúde debilitada. Mas entregou, em 2018, o terror Death Heads: Brain Drain e já havia terminado Cyborg: Rise of the Flesh Eaters. Contudo, deixou em pré-produção Algiers, com Sasha Mitchell e City of Blood que foi apenas anunciado e não sabemos se verá ‘a luz do dia’.

E aí, quais destes filmes de Albert Pyun você prefere?

Você não pode copiar o conteúdo desta página